A não perder nos dias … e … de Dezembro 2016!

Com o Inverno já a marcar a sua presença, há menos feiras temáticas. Paúl, no entanto, faz parte de uma pequena lista de localidades que em Dezembro trazem vida e movimento, através de feiras anuais, relacionadas com a sua história.

Santa Bebiana, trás consigo uma feira bem alegre, de origem pagã, na qual a bebida é rainha e a diversão predomina sobre a noite do Inverno.

Comes e bebes não faltam

Não faltará o vinho e as orações a Baco, tais como: antes da sopa, molha-se a boca! Nem comer sem vinho beber, nem assinar antes de ler! Com pão e vinho, já se anda caminho! “Alegrai-vos, tripas, que aí vem o vinho! No dia de S. Martinho, vai à adega e prova o vinho! Pão que sobre, carne que baste e vinho que farte! Por carne, vinho e pão, deixa tudo o que te dão! Quem bem come e melhor bebe, faz o que deve! Que chova, quer neve, quem tem sede bebe! Se bêbado te vires sentir, foge à companhia e vai dormir! Se queres andar bem disposto, bebe vinho, mas não mosto! Vinho doce, bebe-o como se nada fosse! Cerveja e vinho, só é bom sozinho! Se essa vida de cão só te faz sofrer…o remédio é beber!

A iniciativa à semelhança do ano transacto conta atrair milhares de pessoas apostando na abertura das tasquinhas onde a comida e a bebida não falta, nas barracas do artesanato, para além da grande representação teatral à volta da temática e da grande animação musical.

Na verdade, pouco se conhece da história da Santa Bebiana nesta vila, resultante de não existir um grande saber popular desta profanidade.

Infere-se que, é a padroeira do vinho, outrora festejada por pastores e agricultores, durante o mês de Dezembro.

Face à escassez de registos quase inexistentes sobre este evento e avaliar pelo que dizem os mais idosos, os pastores andavam com o gado nos vales do Paul e arredores, colocavam os chocalhos na cintura e, com os ganhões, festejavam junto às pipas de vinho. Após a ronda por todos os pipos, faziam uma grande ceia, onde o mais atrevido pregava o sermão para os “irmãos” e rezava-se o Pai Nosso dos Bêbedos.

Conseguiu recuperar-se este registo em 2005, sendo cedido pela esposa do falecido pastor/pregador na festa de Santa Bebiana, sendo durante muitos e muitos anos, o responsável pela realização deste costume que acabou por perder-se após a sua morte.

Atendendo que esta tradição já fazia parte dos costumes deste povo, principalmente dos homens, a Casa do Povo do Paul tentou junto das famílias e das pessoas mais idosas recuperar todo o material escrito.

Saber mais